O papel da sustentabilidade corporativa dentro dos princípios ESG

 O papel da sustentabilidade corporativa dentro dos princípios ESG

por Rosemary França Vianna, Country Manager da TÜV Rheinland Brasil

Rosemary França Vianna
Rosemary França Vianna

Na área de negócios, o termo “sustentabilidade” agora é um conceito muito amplo, que demanda estratégias variadas para atingir o que, segundo analistas do Gartner, deve ser a meta do planejamento sustentável: criar valor de longo prazo para os stakeholders, considerando impactos sociais, econômicos e ambientais em decisões estratégicas e operacionais.

Na pauta das empresas, as principais ações estão voltadas para as políticas de ESG (Environmental, Social and Corporate Governance – Ambiente, Social e Governança Corporativa). E, nesse guarda-chuva, qual é o papel da sustentabilidade corporativa, conceito que vem ganhando espaço no mundo dos negócios? Aparentemente, segundo a definição da ONU, os objetivos são os mesmos: entrega de valor no longo prazo em termos financeiro, ambiental, social e ético.

Mas analistas apontam as diferenças. Em linhas gerais, a sustentabilidade corporativa tem como foco a melhoria da empresa, enquanto as práticas ESG visam reduzir riscos financeiros. E como atingir esses objetivos?

A sustentabilidade corporativa está ligada ao modelo de negócio e inovação, à administração estratégica da sustentabilidade. O objetivo é implementar processos e entregar produtos sustentáveis, monitorar e controlar os indicadores e, assim, ter acesso a novos mercados, envolvendo os stakeholders.

Já as ações ESG, além dos benefícios ambientais, sociais e de governança, são mais orientadas a produtos financeiros, facilitando a captação de dinheiro no mercado. Para isso, é preciso abrir um canal de comunicação com os shareholders com a publicação de relatórios de sustentabilidade e informações transparentes.

 

Os três pilares fundamentais

A sustentabilidade corporativa está baseada em três pilares: o ambiental, a responsabilidade social e o econômico. São os três Ps originais (People, Planet, Profit), criados pelo defensor da sustentabilidade corporativa John Elkington na década de 1990. Eles eram uma forma de enfatizar a crescente importância da equação resultado econômico-financeiro X resultado social X resultado ambiental, em vez do lucro convencional e único.

O quarto P – Propósito (Purpose) – foi adicionado nos últimos anos para refletir o interesse de um número crescente de consumidores no propósito organizacional de uma empresa e a diferença que ela deseja fazer em sua comunidade (ou na comunidade global mais ampla) no que diz respeito aos impactos sociais e ambientais.

 

Porque implementar modelos sustentáveis

Segundo o Gartner, líderes empresariais de organizações com programas de sustentabilidade em vigor relatam uma série de benefícios. Eles dizem que essas estratégias ajudam a proteger a empresa de impactos disruptivos e atenuar os aumentos de custos. Além disso, 83% dizem que as atividades do programa criaram diretamente valor de curto e longo prazo para sua organização.

A sustentabilidade corporativa, assim como os princípios ESG, são imperativos para os negócios, essenciais para o sucesso de longo prazo, garantindo que os mercados forneçam valor para toda a sociedade, e é uma preocupação crescente entre os investidores que buscam não apenas o lucro econômico, mas também o bem social, assim como entre clientes preocupados com as suas pegadas de carbono.

Então, para impulsionar a sustentabilidade no DNA corporativo, as empresas devem se comprometer no nível mais alto, relatar anualmente seus esforços e se envolver localmente onde têm presença. Esse deve ser o novo modelo de negócio.

0 Shares
Digiqole Ad

PBC

https://paraibacultural.com.br

Noticias Culturais e Ambientais da Paraíba

Conteúdo relacionado

Ativar notificações Sim Não
Which Notifications would you like to receive?