Ações concretas para mudanças climáticas discutidas na COP28

 Ações concretas para mudanças climáticas discutidas na COP28

LIRA – Legado Integrado da Região Amazônica, transforma desafios em soluções há cinco anos

Enquanto a COP28, realizada em Dubai, encerrou suas deliberações, as discussões e compromissos assumidos pelos representantes de várias nações ecoam como um chamado urgente à ação coletiva diante das mudanças climáticas. Entre os principais temas que repercutiram nos corredores do evento, destacaram-se questões cruciais como a redução das emissões de gases de efeito estufa, o financiamento climático, adaptação às mudanças climáticas, transição energética e o combate ao desmatamento.

Neste contexto, o LIRA – Legado Integrado da Região Amazônica, do IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, desponta como uma peça-chave na busca por soluções concretas que permeiam as pautas discutidas na COP28. “O LIRA é um convite à mudança de paradigma, em que conservação e prosperidade não são opostas, mas complementares na construção de um legado duradouro para as gerações futuras”, diz Fabiana Prado, gerente do projeto.

O financiamento climático, tão crucial para países em desenvolvimento lidarem com os impactos das mudanças climáticas, encontra no modelo do LIRA um exemplo tangível de como investimentos responsáveis podem impulsionar a sustentabilidade ambiental e a inclusão social. A abordagem integrada do LIRA, que envolve comunidades locais, demonstra como esses investimentos podem gerar retornos significativos em termos de resiliência e conservação.

O LIRA é o maior projeto civil em execução pelo Fundo Amazônia e figura como o segundo maior programa de conservação do Brasil, abrangendo aproximadamente 30% das áreas protegidas da Amazônia. O projeto opera por meio da conexão de uma rede de parceiros distribuídos em 55 áreas protegidas na região amazônica. “Graças ao LIRA, mais de cem organizações receberam recursos nos últimos três anos para a proteção desses territórios. Isso contribuiu para que 50 mil beneficiários dos projetos se unissem como força de resistência e conservação”, afirma Fabiana.

Os recursos provenientes do Fundo Amazônia não são de fácil gestão. “Por isso, são canalizados pelo LIRA para incentivar arranjos colaborativos que amplifiquem as vozes das organizações de base local. Esse enfoque permite que tais entidades assumam o controle da gestão administrativa-financeira dos recursos, além de promover a articulação dos territórios para otimizar ações e a utilização dos recursos”, afirma a bióloga.

Os 44 empreendimentos sustentáveis ligados a 13 cadeias da bioeconomia florestal alcançaram um faturamento anual de R$ 1,5 milhão por meio da venda de produtos in natura e beneficiados. Com a assistência do LIRA e a colaboração em rede, diversas iniciativas foram concretizadas, incluindo a construção de unidades de beneficiamento, obras de infraestrutura, aquisição de máquinas e equipamentos, além do suporte em assistência técnica e desenvolvimento de planos de negócios.

“Além disso, estamos envolvidos na gestão e proteção desses territórios, financiando missões de vigilância. Educação também é uma prioridade para nós, e nos orgulhamos de ter capacitado mais de 3 mil indivíduos em produção sustentável e gestão territorial, por meio de 151 eventos. As áreas protegidas representam o presente e garantem o futuro da Amazônia”, afirma Fabiana. Dentre os capacitados, mais de mil são mulheres e mil são indígenas.

Enquanto os compromissos são estabelecidos em eventos internacionais, projetos como o LIRA demonstram que a verdadeira mudança começa em nível regional, com iniciativas que abraçam a interseção entre sustentabilidade, economia e comunidade. “O LIRA é uma resposta concreta às discussões e desafios trazidos pela COP28. É um testemunho vivo de que a ação local pode ter impactos globais significativos na luta contra as mudanças climáticas”, diz Fabiana.

 

Sobre o LIRA

O LIRA é uma iniciativa idealizada pelo IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas, Fundo Amazônia e Fundação Gordon e Betty Moore, parceiros financiadores do projeto. Os parceiros institucionais são a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Amazonas – SEMA-AM e o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará – IDEFLOR-Bio. O projeto abrange 34% das áreas protegidas da Amazônia, considerando 20 UCs Federais, 23 UCs Estaduais e 43 Terras Indígenas, nas regiões do Alto Rio Negro, Baixo Rio Negro, Norte do Pará, Xingu, Madeira-Purus e Rondônia-Acre. O objetivo do projeto é promover e ampliar a gestão integrada para a conservação da biodiversidade, a manutenção da paisagem e das funções climáticas e o desenvolvimento socioambiental e cultural de povos e comunidades tradicionais. Mais informações: https://lira.ipe.org.br/

0 Shares
Digiqole Ad

PBC

https://paraibacultural.com.br

Noticias Culturais e Ambientais da Paraíba

Conteúdo relacionado

Ativar notificações Sim Não
Which Notifications would you like to receive?